Pé de Página: Circuito Sesc de Literaturas 2016

Pé de Página – Circuito Sesc de Literaturas é um projeto voltado para promover, por meio de uma itinerância em âmbito nacional, autores de diversas categorias da Literatura Brasileira. Em curadoria realizada com os Departamentos Regionais, foram selecionados autores representativos, cujas obras possuam qualidade para serem promovidas em outras localidades. Esses autores participarão de mesas de debates em todos os Regionais participantes do circuito, levando suas obras para fora de seu ambiente local. São escritores dos estados de Tocantins, Ceará, Sergipe, Alagoas e Piauí, em uma troca de ideias e experiências a serem mediadas por outros escritores e especialistas da área de literatura de cada região.

 

Quem são os escritores?

Geraldo Amâncio

geraldo

Nasceu em 1946, no sítio Malhada de Areia, em Cedro, no estado do Ceará. Criou-se com o pai e os irmãos trabalhando na roça. Na época não teve oportunidade de completar nem o primário. Anos depois passou num vestibular de história, estudou alguns semestres, mas não completou o curso, pois não foi possível conciliar os estudos com as viagens. É cantador, escritor, apresentador de programa de TV, ministra palestras sobre cantoria e promove festivais de poesia. Como repentista, arte que executa há 52 anos, já participou de mais de 200 festivais competitivos, ganhando 150 primeiros lugares. Foi o primeiro cantador nordestino a atravessar o Atlântico e apresentar-se no Museu de Etnologia de Lisboa, num encontro com poetas repentistas portugueses em 1995. Em 2006 apresentou-se nas Ilhas Baleares, região da Catalunha, no Encontro Mundial de Repentistas, onde só ele representava o Brasil. Em 2007 ministrou palestra sobre cantoria, na Universidade de Coimbra, onde fez um show de improviso no Teatro Paulo Quintela, nessa mesma Universidade. Comandou programas de viola na TV Jangadeiro durante dez anos e na TV Diário por nove anos. Ambos os canais são de Fortaleza. Está à frente dos dois maiores festivais de repentistas do Brasil: o “Festival de Trovadores e Repentistas” e o “Festival de Poesia Patativa do Assaré”. Tem 16 CDs de cantoria gravados e vários livros publicados, destacando-se “A História de Antônio Conselheiro”, “Lampião Rei do Cangaço”, “De Repente Cantoria”, “Gênios da Cantoria”, “Cantigas que Vêm da Terra”e “Andarilho do Canto e da Palavra”, dentre outros. Já fez pesquisas sobre o repente em muitos países, incluindo alguns da América do Sul, Europa e Oriente Médio. Em 2016 participou da 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

 

Manuel Casqueiro

manuel casqueiro

Manuel Casqueiro nasceu no bairro Chão de Papel, em Bissau, na ex-colônia portuguesa da Guiné, atualmente República da Guiné-Bissau. Cursou o Ensino Fundamental e Médio no Liceu Kwame N´Krumah. É formado em Ciências Políticas e Administrativas pela Universidade de Luanda. Foi instrutor militar das Milícias Populares ligadas à Organização da Defesa Popular (ODP) e membro do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). Trabalhou como assessor técnico no Ministério da Planificação e Coordenação Econômica da República Popular de Angola. Dois anos após a independência, por questões político-ideológicas, exilou-se no Brasil. Publicou Muzungu Pululu – Homem Branco Transparente e A Lança de Nzambi. Tem participações em revistas eletrônicas e em Coletâneas de Contos. Ministra palestras em universidades e colégios. É membro da Associação Cearense de Escritores, acadêmico honorário da Academia de Letras dos Municípios do Estado do Ceará, sócio honorário da Casa de Cultura Poeta Juvenal Galeno, fundador e presidente da Academia Afrocearense de Letras e ganhador do Prêmio Sankofa das Comunidades Quilombolas de Caucaia-CE.

Bruno Ribeiro

bruno ribeiro

 

Bruno Ribeiro nasceu no ano de 1980, em Maceió, Alagoas, onde mora atualmente. É doutorando em Estudos Literários pela Universidade Federal de Alagoas, é também poeta e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL). É autor do livro de poemas “Das Horas”, selecionado pelo edital do Programa de Incentivo à Cultura Literária, da Imprensa Oficial Graciliano Ramos, em 2014. Foi coautor do projeto de performance poética “Amores Ébrios”, selecionado no Prêmio Eris Maximiniano, da Fundação Municipal de Cultura de Maceió, em 2015. Antes de seu primeiro livro já havia publicado poemas em jornais, antologias e em um blog de poesia. É uma das novas vozes da poesia que se produz em Alagoas.

 

Nilton Resende

nilton

 

Nilton Resende é alagoano de Maceió, onde tem trabalhado com diversas manifestações artísticas. É professor adjunto de Literatura da Universidade Estadual de Alagoas. No teatro, é cofundador da Companhia Ganymedes, para a qual adaptou o conto Mário e o Mágico, de Thomas Mann, no espetáculo O Mágico, que também codirigiu e protagonizou. Tem contribuído para a retomada do audiovisual em Alagoas, trabalhando como ator, preparador e diretor de elenco e roteirista. Na área da performance realizou o work in progress Hóstia, buscando uma maior relação entre os campos da literatura, do teatro, do audiovisual e das artes plásticas. Também na área da performance participa do projeto Amores Ébrios, apresentação coletiva  lítero-musical. Tem livros premiados nos gêneros poesia (O Orvalho e os Dias) e conto (Diabolô). Lançou recentemente o livro A Construção de Lygia Fagundes Telles: edição crítica de Antes do Baile Verde – fruto de sua tese de doutoramento. Em 2012 teve seu conto “A Fresta” publicado em inglês na revista londrina Litro, em tradução de Alison Entrekin, sob o título “The Crack”. No mesmo ano, o conto “A Ceia” foi publicado em espanhol na revista Machado de Assis (lançada na Feira de Frankfurt), em tradução de Pablo Cardellino Soto, sob o título “La Cena”.

G. Aguiar

Jeane 1

É mestranda em Comunicação Social – Jornalismo – pela Fundação Universitária Iberoamericana – FUNIBER (2016). Possui pós-graduação em Literatura Brasileira e Portuguesa pela Faculdade Pio Décimo (2011), pós-graduação em Didática do Ensino Superior pela Faculdade Pio Décimo (1999) e graduação em Letras Português – Inglês (1996). Atua como técnica pedagógica da Secretaria de Estado da Educação desde 2001 e como professora de Língua Portuguesa do Colégio Estadual Presidente Nelson Mandela desde 2013. Também é membro da Academia de Letras de Aracaju. É escritora e ilustradora de literatura infantojuvenil com sete obras publicadas: Zé Peixe, o menino do mar (Infografics, Aracaju, SE, 2008); A Menina dos Livros (Editora Roda e Cia – Valinhos – SP, 2011); A Maravilhosa História de Tia Ruth (Editora Sercore, Aracaju, SE, 2011); Mozart, o gênio que não era da lâmpada (Editora Roda e Cia – Valinhos, São Paulo, 2013); O Pintinho Cor de Milho Verde; A Rainha Feliciana e Sete Catarinas (as três últimas obras foram publicadas pela Editora Virtual Clube dos Autores, em 2014). Contribuiu com publicações de memórias, artigos e resenhas no Caderno de Cultura do Jornal Cinform – Aracaju (2010) e no Jornal Gazeta Vale do Cotinguiba – Laranjeiras – SE (2013). Foi responsável pela Coluna Afinando a Língua, no Jornal Correio de Sergipe (2014 e 2015); publica poemas, crônicas, artigos e resenhas críticas no Portal Literário Recanto das Letras desde 2010. Representou a Secretaria de Estado da Educação no Comitê Sergipano do PROLER (2008 a 2013). Tem experiência com palestras na área da literatura infantil, alfabetização e letramento e gêneros do discurso, bem como com oficinas de incentivo à leitura e escrita e projetos pedagógicos.

 

Pedro Tierra

Pedro Tierra

Hamilton Pereira da Silva, poeta que firma seus escritos com o pseudônimo de Pedro Tierra. Nasceu em 26 de julho de 1948, em Porto Nacional (TO). É militante político e social e dessa militância extrai a matéria-prima de sua poesia. Lutou contra a ditadura brasileira (1964/1985), viveu clandestinamente e foi preso. Cumpriu cinco anos de prisão e escreveu no cárcere seu primeiro livro, Poemas do Povo da Noite, que foi publicado primeiro na Itália (1977), depois na Espanha (1978) e somente em 1979 no Brasil. Também em 1979 compõe a Missa da Terra Sem Males, em parceria com Dom Pedro Casaldaliga e Martin Coplas. Da parceria com Dom Pedro surge também, em 1981, a Missa dos Quilombos, que foi musicada por Milton Nascimento e celebrada, pela primeira vez, no Largo do Carmo, em Recife. Em 1983 publica Água de Rebelião, pela Editora Vozes. Em 1986, Inventar o Fogo e em 1990 publica uma antologia em alemão, Zeit der Widrigkeinten, da Editora DIÁ, que foi apresentada na Feira de Frankfurt em 1994, quando o Brasil foi o país homenageado pela primeira vez. Esse livro foi reeditado em 2013 com o título A Palavra Contra o Muro, pela Geração Editorial, e lançado na Feira de Frankfurt, que novamente homenageou o Brasil. Autor dos livros Poemas do Povo da Noite, Menção Honrosa no Prêmio Casa de Las Américas/Cuba, em 1977; Missa da Terra Sem-Males, em parceria com Pedro Casaldáliga e Martin Coplas; Missa dos Quilombos, com Pedro Casaldáliga e Milton Nascimento; Água de Rebelião; Inventar o Fogo; Passarinhar; Bernardo Sayão e o Caminho das Onças; Porto Submerso; Zeit der Widrikeiten, antologia (Edition DIÁ, Berlin); Dies Irae; A Palavra Contra o Muro; A Estrela Imperfeita e Testemunhos – Renascer pela Palavra, este no prelo. Seus livros estão traduzidos para vários países da Europa e América Latina.

 

Osmar Casagrande

 

osmar

Nasceu em Presidente Epitácio em 8 de dezembro de 1956. Aos 15 anos mudou-se para Bragança Paulista, depois para São Paulo, onde passou boa parte de sua juventude. Foi na capital paulista que aprimorou sua arte de escrever. Ali também formou-se em Comunicação Social, dando preferência à Publicidade e Propaganda. Vive atualmente em Palmas, capital do Tocantins, desde a fundação da cidade, onde além de dedicar-se à literatura, pois é autor de dois livros – Retalhos (Contos) lançado em 2002 e A Casa (arquitetura poética) 2009 – também é ator, dramaturgo, contista e apresentador de TV, tendo trabalhado na Fundação Cultural do Estado do Tocantins, exercendo a função de gerente de literatura. Osmar Casagrande é membro fundador da Academia Palmense de Letras, da qual foi vice-presidente. Autor de crônicas, contos, artigos e poemas editados em diversos jornais da capital do Estado do Tocantins. Redator e apresentador do show Cultura em Tom Maior – um concerto para corpo e voz, realizado pelo SESI-TO, em Palmas e Araguaína, no ano de 1999. Autor do livro de contos Retalhos (Palmas, agosto de 2002). Participante do Projeto Art Card, versão 2003, com o poema “Anúncio”. Membro fundador da Academia Palmense de Letras. Membro do Conselho de Cultura do Município de Palmas, gestão 2003/2005. Instrutor na “Oficina das Letras”, no Projeto BR, patrocinado pelo Governo do Estado do Tocantins. Redator, produtor e apresentador do Sarau de Palmas, nos meses de fevereiro, março e abril de 2004. Diretor de Ação Cultural da Secretaria Municipal de Cultura de Palmas, de janeiro de 2005 a março de 2006, quando foi extinta a Secretaria Municipal de Cultura. Instrutor nas oficinas de poesia “Passeio Poético”, ministradas durante o II Salão do Livro do Tocantins, realizado em maio de 2006. Autor do livro de poemas A CASA (in)cômodos (di)versos, lançado em abril de 2009 e indicado para o vestibular 2012 do Concurso Vestibular da Universidade Federal do Tocantins.

 

Roteiro de bate-papos em Parnaíba:

 

13/10 – 18h

De Repente, Luta: Literatura e Identidade, com Geraldo Amâncio e Manuel Casqueiro.

Mediação: Daltro Paiva

 

 

15/10 – 18h

Literatura: Verso e Prosa, com Bruno Ribeiro e Nilton Resende.

Mediação: Ana Ferreira

 

 

 

17/10 – 18h

Literatura Infantil: Palavra Simples, Palavra Bem Executada, com Viana e G. Aguiar.

Mediação: Luciana Lis

 

 

19/10 – 18h

Literatura e Resistência, com Pedro Tierra e Osmar Casa Grande.

Mediação: Alciomar Neto

 

 

 

Faça a sua inscrição e participe!

Dúvidas? Ligue para (86) 3315-8561

 

 

Acesse o link e saiba mais: https://www.flipsnack.com/SIEARTGRAFICAEEDITORA/pe-de-pagina-fti27lqqp.html?p=16