Praças, de Joseph Paz

 

Na Pedro II, império de meus passos
Há relatos que não hei de esquecer
Selados por tantos amigos e abraços
Embriagados no boca ao anoitecer
Um canteiro de amores em colapsos
Dos acasos que valem a pena viver

Na Saraiva, esperei o ônibus passar
Pra me levar pro alto, pro vasto
Pra cortejar as estrelas a brilhar
Namorar, ter um caso no teu espaço
E no aço da Estaiada estancar
Descer na órbita negra do teu cacho

Na Rio Branco, teu franco sorriso
Revestido da suada esperança
Na entranha do engraxate mestiço
Sob o crivo da Chapada do Corisco

Na Bandeira, um busto do Marechal
Das lutas e repúblicas desiludidas
Esquecidas como as árvores da capital
Nas praças das súplicas encalecidas

                                                                                                                                                                                                                                                                                   Joseph Paz (escritor)

Designed by Freepik